Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Metal Global

Um programa de metal, com noticias e agenda de concertos.

Kamelot - "Silverthorn" album review

Kamelot - Silverthorn

 

Kamelot 

"Silverthorn"

(Steamhammer/ SPV)

 

Não é algo que aconteça com regularidade, mas desta vez resolvi escrever uma critica ao álbum “Silverthorn” dos Kamelot.

Sendo um “fanático” de Roy Khan, foi com alguma apreensão e curiosidade que  fiquei à espera do anúncio de quem seria o novo vocalista da banda. Quando finalmente foi divulgado o nome de Tommy Karevik fiquei um pouco mais tranquilo, aguardando a oportunidade para ouvir o novo disco, rapidamente percebi que os meus receios eram infundados.

Não só Tommy provou ser um excelente vocalista, como mostrou que é o homem certo para os Kamelot.

Em relação ao disco, “Silverthorn” recaptura algo que faltava nos últimos discos de Kamelot – principalmente no “The Great Pandemonium” – que é a melodia e emoção. E, neste aspeto, o mérito pertence a Tommy que parece ter encontrado as melodias que há muito andavam perdidas na banda.

Sendo um disco conceptual, todas as músicas estão interligadas de forma a não quebrar o ritmo do disco.

Falando das músicas que mais se destacam no disco, todos os temas são bons mas há, obviamente, canções que se vão tornar obrigatórias no set list dos Kamelot. Uma das escolhas óbvias é o tema “Sacrimony (Angel of Afterlife)” – curiosamente o último tema a ser escrito para o disco – que é o primeiro single desta novidade, e um tema “clássico” dos Kamelot. Outro destaque vai para a balada “Song For Jolee”. Que canção!! Uma daquelas baladas que vai perdurar no tempo e certamente um dos melhores temas da carreira da banda. A emoção de Tommy Karevik neste tema pode ser comparada com a de um Freddy Mercury.

Outros destaques vão para o tema “Torn” – aqui o Tommy a trazer uma melodia vocal dos tempos dos Seventh Wonder. “Falling Like the Fahrenheit” e “Prodigal Son” – este tema, dividido em três partes – que tem um inicio absolutamente épico e inesperado, no bom sentido, numa banda como Kamelot.

Resumindo, “Silverthorn” é muito possivelmente o melhor álbum da carreira da banda liderada por Thomas Youngblood e uma estreia certeira para Tommy Karevik que esperemos que continue na banda durante muitos anos.  

 

(10/10)

 

English:

 

I normally don’t do album reviews but “Silverthorn” is worth the work of doing one.

Being a Roy Khan “fanatic” was with great apprehension and expectation that I waited the news of who would be Kamelot’s new singer. Finally the new singer was announced in the person of Tommy Karevik, and I was a bit more relieved but needed to hear the new record and as soon as I heard “Silverthorn” my fears were unfounded.

Not only Tommy is a great singer as he proves to be the perfect fit for Kamelot.

“Silverthorn” brings back something that was missing in Kamelot for some time – mainly in the “The Great Pandemonium” - which was melodies and emotion. And, when it comes to this specific matter, thumbs up for Tommy for bringing back the long lost melodies of Kamelot.

Being a conceptual record, all songs are linked in a way that the album doesn’t loose any rhythm.

The highlights of the record… well all songs are great, but obviously, there are songs that will be part of the band’s set list in the future. One of the obvious choices is the first single “Sacrimony (The Angel of the Afterlife)” a song that has written “Kamelot Classic” all over. Another mention has to be for the ballad “Song For Jolee”. What a song!! It’s one of those ballads that will stand the test of time and certainly one of best songs ever from Kamelot. Tommy Karevik singing emotion on this song can only be compared to one Freddy Mercury.

Other songs that will caught your attention: “Thorn”- on this one, Tommy brings some vocal melodies from his times in Seventh Wonder. “Falling Like The Fahrenheit” e “Prodigal Son” – this song, is divided in three pieces – which has such an epic and unexpected beginning, in a good way, from a band like Kamelot.

Bottom line, “Silverthorn” might as well be Kamelot’s finest record to date and you couldn’t ask more from Tommy Karevik debut, whom we all hope will remain in the band for many and long years.

 

(10/10)

5 comentários

Comentar post